Saúde

As cantinas de escolas do estado do Rio estão proibidas de vender balas, chocolates, salgadinhos, gomas de mascar, pirulitos, caramelos, refrescos a base de pó industrializado, e refrigerantes, entre outras delícias que fazem a alegria da criançada na hora do recreio. A lei, criada pelo deputado Roberto Dinamite e aprovada pela governadora Rosinha Matheus, proíbe ainda, propaganda de qualquer um desses produtos nas escolas.A justificativa do deputado é o controle da obesidade infantil. Segundo a última pesquisa realizada pelo IBGE, 40% da população brasileira está acima do peso.

Em 2002, o prefeito do Rio, Cesar Maia, assinou decreto proibindo a propaganda de cigarros, bebidas e alimentos a menos de 200 metros da entrada de todas as escolas municipais e particulares de educação infantil e fundamental. No mesmo ano, César, já havia vetado a venda de refrigerantes e alimentos do tipo fast-food em escolas da rede municipal na cidade do Rio de Janeiro. Agora, a medida atinge todas as escolas do Estado e já está causando polêmica devido ao seu caráter autoritário. Os críticos acreditam que por ser uma proibição pode acabar estimulando, em vez de inibir, o consumo das guloseimas e ainda argumentam que as crianças podem trazer de casa esse tipo de lanche ou compra- los na rua.

Já alguns pais, médicos e nutricionistas defendem a medida do prefeito, que chegou a dizer que a obesidade será a doença do século XXI. Pediatras e endocrinologistas são unânimes em apontar os perigos do excesso de peso para a saúde de crianças e adolescentes, que pode levar à hipertensão arterial, problemas cardiovasculares e diabete, entre outras doenças causadas pela obesidade.